Revista Jurídica Cognitio Juris | João Pessoa: | ISSN 2236-3009

PÁGINA INICIAL   |   SOBRE A REVISTA   |   CONSELHO CIENTÍFICO   |   DIRETRIZES   |   ENVIAR ARTIGOS   |   CONTATO

 

LEONARDO CARDOSO DE MAGALHAES

Brasil

Defensor Público Federal; Mestrando em Direitos Humanos, Interculturalidade e Desenvolvimento na Universidade Pablo de Olavide, em Sevilha/Espanha; Especialista em Direito Civil pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

 

 

O PACTO DE SÃO JOSÉ DA COSTA RICA E O JULGAMENTO DO RE-STF 466.343

 

DIREITO CONSTITUCIONAL

Leonardo Cardoso de Magalhaes

 
RESUMO
Este breve artigo pretende discutir o status normativo ostentado pela Convenção Americana de Direitos Humanos no ordenamento jurídico brasileiro, diante do disposto no art. 5º, §2º da Constituição da República e do julgamento do Recurso Extraordinário nº 466.343, pelo Supremo Tribunal Federal.
Palavras-chave: Convenção Americana de Direitos Humanos; Status normativo; Julgamento do RE-STF 466.343.
 
THE PACT OF SAN JOSÉ COSTA RICA AND THE JUDGMENT OF THE RE-STF 466.343
 
ABSTRACT
This brief paper intends to discuss the normative status flaunted by the American Human Rights Convention in the Brazilian legal system, according to the art. 5º, §2º of the Constitution of Brazil and the judgment of the Extraordinary Request by the Brazilian Supreme Constitutional Court.
Keywords: American Human Rights Convention; Normative status; Judgment of RE-STF 466.343.

_______________________________________________________________________________________________

Introdução

O julgamento do Recurso Extraordinário (RE) nº 466.343 representou verdadeiro divisor de águas na jurisprudência então dominante no âmbito da Suprema Corte Constitucional brasileira, que considerava que os tratados internacionais ratificados pelo Brasil seriam integrados à ordem jurídica interna como se lei ordinária fossem.

Entretanto, a integração da Convenção Americana de Direitos Humanos, mais conhecida como Pacto de São José da Costa Rica, não se verificou pacificamente, na medida em que, ao veicular normas de direitos humanos e considerando disposto no §2º no art. 5º da Constituição da República faria jus a um status diferenciado da lei ordinária. Ademais, a inicial incompatibilidade material entre a norma constitucional originária que permitia a prisão do depositário infiel e as disposições do pacto reforçaram a necessidade de rediscussão do tema na máxima corte brasileira.

 

1.        O status normativo interno dos tratados internacionais ratificados pelo Brasil

Antes de adentrar no estudo da Convenção Americana sobre Direitos Humanos, mister se faz a análise da iterativa jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, em sede de internalização de tratados e outros diplomas de direito internacional público.

                A Constituição da República, sobretudo seu art. 5º, § 2º, prevê normas dirigidas à regulamentação do direito internacional no plano interno. A partir daí, foi possível desenvolver quatro correntes doutrinárias, que tentam explicar qual posição ocupam, no ordenamento jurídico pátrio, os tratados e pactos internacionais, mormente, aqueles que proclamam direitos humanos. O Ministro Gilmar Ferreira Mendes, assim as sistematizou, em voto proferido no Recurso Extraordinário (RE) nº. 466.343:

1)       A vertente que atribui natureza supraconstitucional, cujo principal expoente é Celso Duvivier de Albuquerque;

2)       A corrente que confere status de norma constitucional a tais diplomas internacionais, dentre os seus adeptos, destaca-se Antônio Augusto Cançado Trindade;

3)       A tendência que reconhece status de lei ordinária, posição então consolidada no âmbito do Supremo Tribunal Federal;

4)       A interpretação que confere estabelece status normativo supralegal.

A primeira corrente preconiza que os tratados de direitos humanos ocupam uma posição normativa no sistema jurídico superior ao ocupado pela própria Lei Fundamental, tendo em vista a necessidade de resguardo da pessoa humana em sua convivência política, afirma Bidart Campos (1.991).

Os adeptos de tal pensamento defendem a teoria monista com prevalência do direito internacional, segundo a qual o fundamento de validade da ordem jurídica interna é retirado do direito internacional, razão pela qual nem a Constituição poderia se sobrepor às normas internacionais.

Certamente, a aludida posição, que no Brasil, é acastelada por Celso de Albuquerque de Mello, não prevalece, ante ao princípio da supremacia da Constituição. Para o autor, “as normas internacionais teriam efeito derrogatório em relação às normas constitucionais com aquelas conflitantes”. (MELLO, 2.001, p. 55).

Comentando o princípio da supremacia constitucional, pontifica Luis Roberto Barroso (2.008):

Toda interpretação constitucional se assenta no pressuposto da superioridade jurídica da Constituição sobre os demais atos normativos no âmbito do Estado. Por força da supremacia constitucional, nenhum ato jurídico, nenhuma manifestação de vontade pode subsistir validamente se for incompatível com a Lei Fundamental. [...] A supremacia da Constituição manifesta-se, igualmente, em relação aos atos internacionais que devam produzir efeitos em território nacional”. (g.n., BARROSO, 2.008, p. 161).

A Constituição ocupa o ápice da pirâmide do ordenamento jurídico, proposto por Hans Kelsen, sendo assim, seus princípios e regras devem ser respeitados acima de qualquer outra lei ou regra infra. Este postulado repele qualquer tipo de interpretação que venha a partir da lei infraconstitucional.

                Todo ato normativo deve ser compatível com a Carta Magna, tanto no aspecto formal como no material. Os poderes constituídos devem estrita obediência ao comando constitucional, motivo pelo qual, poderiam ser previamente impedidos de celebrar tais atos no plano internacional, ou, então, propor reservas ou transigir em seus termos.

                Ademais, há que considerar a eventual dificuldade de instauração do controle de constitucionalidade de tais atos internacionais, que poderiam anular algum objetivo fundamental perseguido pela Constituição da República. Assim, a referida corrente doutrinária é rechaçada pela maioria da doutrina constitucional.

                O jurista da Corte Interamericana de Direitos Humanos, Antônio A. Cançado Trindade (2.003) sustenta que, na verdade, os tratados de direitos humanos, ao ingressarem no ordenamento jurídico interno, adquirem o status de norma constitucional, a servir de parâmetro de validade para as demais normas que compõem o sistema. Isso se deve porque o art. 5º, § § 1º e 2º da Constituição tem a função:

“[...] de assegurar a aplicabilidade direta pelo Poder Judiciário nacional da normativa internacional de proteção, alçada a nível constitucional [...]. Desde a promulgação da atual Constituição, a normativa dos tratados de direitos humanos em que o Brasil é parte tem efetivamente nível constitucional e entendimento em contrário requer demonstração. A tese da equiparação dos tratados de direitos humanos à legislação infraconstitucional – tal como ainda seguida por alguns setores em nossa prática judiciária – não só representa um apego sem reflexão a uma tese anacrônica, já abandonada em alguns países, mas também contraria o disposto no artigo (5) 2 da Constituição Federal Brasileira”. (g.n.,TRINDADE, 2.003, p. 113).

                Flávia Piovesan (1.997) pontifica que a Constituição confere a tais tratados “o status de norma constitucional, por força do artigo 5.º, parágrafo 2.º”. No entanto, “o regime jurídico diferenciado conferido aos tratados de direitos humanos não é, todavia, aplicável aos demais tratados tradicionais”. (PIOVESAN, 1.997, p. 111).

                E, arremata:

“No que tange a estes, adota-se a sistemática da incorporação legislativa, de modo a exigir que, após a ratificação, um ato com força de lei (no caso brasileiro este ato é um Decreto expedido pelo Executivo) confira execução e cumprimento aos tratados no plano interno. Deste modo, no que se refere aos tratados em geral, acolhe-se as sistemática da incorporação não automática, o que reflete a adoção da concepção dualista. Ainda no que tange a estes tratados tradicionais e, nos termos do artigo 102, III, b, da Carta maior, o texto lhes atribui natureza de norma infra-constitucional”. (PIOVESAN, 1.997, p. 111).

Na verdade, o § 2º do art. 5º da Carta de 1.988 representa a consagração do “espírito ideológico da Constituição, de maior democracia e abertura, possibilitando o incremento da Constituição com mais direitos não previstos em seu corpo quando da promulgação, excluindo uma visão mais limitada da Constituição”. (OLIVEIRA, 2.001, p. 61).

               

2.       Por uma abertura semântica da Constituição e suas normas

O advento da Emenda Constitucional nº. 45/2.004 (BRASIL, 2.004), (EC 45/04) esvaziou os argumentos dos supracitados defensores do status constitucional dos tratados de direitos humanos, na medida em que privilegiou a teoria formalista em detrimento da teoria material da Constituição. O legislador constituinte, enfim, contrapôs-se à tendência do constitucionalismo contemporâneo mundial. Nessa linha de pensamento, ensina Paulo Bonavides (2.006):

“A moderna interpretação da Constituição deriva de um estado de inconformismo de alguns juristas com o positivismo lógico-formal, que tanto prosperou na época do Estado liberal. Redundou assim na busca do sentido mais profundo das Constituições como instrumentos destinados a estabelecer a adequação rigorosa do Direito com a Sociedade; do Estado com a legitimidade que lhe serve de fundamento; da ordem governativa com os valores, as exigências, as necessidades do meio social [...]”. (BONAVIDES, 2.006, p. 476).

                A teoria material preconiza que “a essência da Constituição não se acha contida numa lei ou norma”, mas na vontade do titular do poder constituinte, que é o povo. (BONAVIDES, 2.006, p. 176) Assim, é possível reconhecer normas constitucionais propriamente ditas (ou seja, aquelas que proclamam direitos fundamentais e organizam o Estado) fora do texto formal e escrito da Constituição. In casu, os tratados de direitos humanos. É esse o ponto central de discussão, hoje, no Supremo Tribunal Federal, como adiante será demonstrado.

                No entanto, é conveniente ressaltar que a EC 45/04 atribuiu, ao passo que representou certo regresso normativo, um tratamento privilegiado e especial aos tratados de direitos humanos, acenando para a insuficiência da tese da legalidade ordinária de tais diplomas internacionais já ratificados pelo Brasil, a qual tem sido preconizada há muito tempo pela jurisprudência do Excelso Pretório, desde o julgamento do Recurso Extraordinário nº. 80.004/SE, em 1.977, como bem observado pelo insigne Ministro Gilmar Ferreira Mendes[1].

                Como salientado, o Supremo Tribunal Federal entende que os tratados internacionais e demais diplomas externos ingressam no sistema jurídico brasileiro como se lei ordinária fossem, passíveis de revogação das normas anteriores com eles conflitantes, bem como revogáveis por leis posteriores.

                Por outro lado, merece atenção a ressalva suscitada pelo então Min. Leitão de Abreu, no julgamento do Recurso Extraordinário nº. 80.004/SE, segundo o qual não há que se falar em revogação do tratado por lei posterior, haja vista o procedimento específico para sua formalização, em franca aplicação do princípio da simetria.

Para o Ministro, “a lei não o revoga, mas simplesmente afasta, enquanto em vigor, as normas do tratado com ela incompatíveis, voltará ele aplicar-se, se revogada a lei que impediu a aplicação das prescrições nele consubstanciadas[2].

A prisão civil do depositário infiel na alienação fiduciária foi inicialmente discutida em 1.995, sob a ótica da Convenção Americana de Direitos Humanos, quando do julgamento pelo Plenário do Supremo Tribunal Federal do habeas corpus nº. 72.131/RJ, publicado no DJ de 01/08/2.003.

 O Tribunal, mais uma vez, reforçou o antigo entendimento da legalidade ordinária, assentando que o Pacto de São José da Costa Rica seria norma ordinária geral que não teria o condão de afastar a aplicação de norma especial, ou seja, do Decreto-Lei nº. 911/1.969 (BRASIL, 1.969).

O relator do citado wirt, Min. Marco Aurélio Melo, vencido, consignou que é ilegítima a equiparação do devedor-fiduciante ao depositário, sob pena de “elastecimento das hipóteses em que viável a prisão por dívida civil”. Assim:

Suficiente será que norma estritamente legal mascare a realidade e, com desprestígio a institutos, ao verdadeiro sentido de expressões e de vocábulos consagrados pela ordem jurídica, pelo meio acadêmico e em julgamentos, dê a uma das partes, como em um passe de mágica – e, para tanto, o vernáculo é pródigo – a qualificação de depositário e, à outra, a de depositante, muito embora não se tenha como objeto em si do contrato, perseguido por uma das partes, a devolução do bem, mas sim o pagamento respectivo, a liquidação de parcelas sucessivas. Interpreto a Constituição como ela se revela, ou seja, como a consubstanciar, no caso, uma garantia constitucional, voltada não à proteção patrimonial de certos credores, como se contemplados com verdadeiro privilégio, mas à pessoal dos devedores. A prisão por dívida civil somente é viável quando constatada a inadimplência voluntária de obrigação alimentícia ou o descumprimento de contrato de depósito. O contrato de alienação fiduciária não a enseja”. (g.n., STF, Habeas corpus, nº. 72.131, rel. Min. Marco Aurélio, j. 23/11/1.995, DJ 01/08/2.003)[3].

Hodiernamente, a Corte Constitucional brasileira tem rediscutido a tese da legalidade ordinária dos tratados de direitos humanos, a partir dos métodos modernos de interpretação da Constituição, especialmente, a teoria material, o concretismo e o modelo integrativo de Rudolf Smend, assinala Bonavides (2.006).

Interessante registrar que a moderna hermenêutica preconiza a necessidade de redução, e, até mesmo, eliminação, dos limites entre o interno e o externo, no campo do direito constitucional nacional, contribuindo, assim, para a prevalência do direito comunitário sobre o direito interno, leciona Peter Häberle (2.003).

Peter Häberle é o responsável por ter cunhado a expressão Constituição aberta, segundo o qual é preciso ampliar o rol de legitimados à interpretação da Carta Política, bem como direcionar a aplicação do direito à realidade, isto é, adequar a norma constitucional às exigências da sociedade que pretende por ela ser regida em determinada época (sociedade aberta do futuro).

Häberle (2.003) reconhece o condicionamento mútuo entre a Constituição e a realidade fática, eixo central de todas as metodologias propostas pelos autores da nova hermenêutica: “Constituição é, nesse sentido, um espelho da publicidade e da realidade. Ela não é, porém, apenas o espelho. Ela é, se se permite uma metáfora, a própria fonte de luz” (HÄBERLE, 2.003, p. 45). Possui, assim, uma função eminentemente diretiva.

Enfim, prega o abandono do anacronismo da interpretação lógico-formal, construído a partir de uma sociedade fechada, e a adoção da teoria material da Constituição, cujo objetivo precípuo é a proteção e a garantia da máxima efetividade possível para os direitos humanos, num Estado social democrático.

Paulo Bonavides (2.006) desdobra a construção teórica de Häberle nos seguintes pontos:

“[...] primeiro, o alargamento do círculo de intérpretes da Constituição; o segundo, o conceito de interpretação como um processo aberto e público; e, finalmente, o terceiro, ou seja, a referência desse conceito à Constituição mesma como realidade constituída e “publicização” (“verfassten Wirklichkeit und Öffentlichkeit”)”. (BONAVIDES, 2.006, p. 509).

                Essa abertura constitucional, além de significar uma revisão de valores, facilita a cooperação e a integração internacional e supranacional entre os Estados pós-modernos.

                Luís Roberto Barroso (2.003) sustenta que a Carta de 1.988 passa a ser vista como um “sistema aberto de princípios e regras, permeável a valores jurídicos suprapositivos, no qual as idéias de justiça e realização dos direitos fundamentais desempenham um papel central”. (BARROSO, 2.003, p. 292).

                Percebe-se, portanto, que a hodierna hermenêutica constitucional tende à aceitação, gradativa, da teoria material da Constituição, fundamentada em diversos teóricos como Peter Häberle, Rudolf Smend, Theodor Viehweg, Karl Popper et alli, e que vem orientando a interpretação judicial, sobretudo na Europa e nos Estados Unidos. Paulo Bonavides (2.006) conclui que os métodos modernos de interpretação conduzem a uma mudança do conteúdo da Constituição e do seu próprio conceito, mais vasta que as reformas proporcionadas pelo formalismo revisionista.

                A Corte constitucional brasileira, atenta para a evolução da hermenêutica contemporânea, está revendo diversos posicionamentos há muito tempo consolidados por sua iterativa jurisprudência, dentre os quais se destaca o tema objeto do presente estudo.

                Deve-se conferir aos tratados de direitos humanos uma posição especial e diferenciada em relação às demais normas que compõem o sistema jurídico, assim como vem ocorrendo no Paraguai e na Argentina, que sofreram influência da União Européia e inseriram em seus respectivos textos constitucionais conceitos de supranacionalidade, observa Gilmar Ferreira Mendes, em voto proferido no Recurso Extraordinário nº. 466.343, ainda pendente de julgamento pela Corte.

                Desta forma, considerando as demais correntes de classificação normativa dos tratados de direitos humanos, a que parece se amoldar à realidade constitucional brasileira, segundo a visão em construção no STF, é a quarta e última corrente, que preconiza o status supralegal de tais diplomas normativos.

                Como explanado linhas acima, é frequente a preocupação do legislador em conferir, cada vez mais, proteção e efetividade aos direitos humanos. Por isso, é importante que seja reservada uma posição peculiar no ordenamento jurídico em relação aos demais direitos subjetivos.

                Nos países, como o Brasil, em que o princípio da supremacia constitucional é dogma fundamental do ordenamento jurídico, não se têm admitido que uma norma infraconstitucional possa modificar o texto da Constituição pela sua simples entrada em vigor. Assim, dita norma, ainda que veicule direitos humanos, deve obedecer estritamente ao comando constitucional, sob pena de nulidade.

Entretanto, nesse último caso, norma de direito humano se acomodará, dentro do sistema jurídico, entre a norma constitucional e as demais normas infraconstitucionais. Assumindo, portanto, uma posição supralegal, subordinada, apenas, ao texto constitucional. Foi esta a posição ventilada pelo Supremo Tribunal Federal, no julgamento do Recurso em Habeas Corpus nº. 76.785-RJ, publicado no DJ de 22/11/2.002, relatado pelo Min. Sepúlveda Pertence, vencido pela maioria.

Equiparar os tratados de direitos humanos a lei ordinária é o mesmo que esvaziar o conteúdo normativo do art. 5º, § 2º da Constituição, de modo a torná-lo inócuo.

Apesar disso, seguido direção oposta à preconizada pelo constitucionalismo mundial, o Superior Tribunal de Justiça tem entendido, obter dicta, da seguinte forma:

O Pacto de São José da Costa Rica (Convenção Americana de Direitos Humanos), cujo art. 7º veda a prisão por dívida, exceto se se tratar de obrigação alimentar (Ninguém deve ser detido por dívidas. Este princípio não limita os mandados de autoridade judiciária competente expedidos em virtude de inadimplemento de obrigação alimentar ), atende, sem dúvida, à primeira exigência. Não foi submetido, no entanto, à aprovação pelo quorum qualificado de três quintos, o que impede, nos exatos termos da norma do art. 5º, § 3º, da CF, que se o tenha por recepcionado pelo direito interno com status de emenda constitucional”. (g.n., STJ, Recurso em Habeas corpus, nº. 19.087, rel. Min. Teori Albino Zavascki, j. 18/05/2.006, DJ 29/05/2.006).[4]

Felizmente, a quarta corrente doutrinária vem sendo adotada pelo Supremo Tribunal Federal, máximo intérprete da Constituição, como se depreende do julgamento dos seguintes arestos, colacionados a título ilustrativo: Recursos Extraordinários nos. 466.343 e 349.703; Habeas Corpus nos. 87.638, 87.585 e 90.172[5].

 

3.       Do julgamento dos RREE 466.343-SP e 349.703

                O Supremo Tribunal Federal aproveitou oportunidade de rever a sua jurisprudência em matéria de internalização de tratados, sobretudo, aqueles que proclamam direitos humanos, quando analisou a situação jurídica da Convenção Americana de Direitos Humanos.

                A questão principal discutida nos recursos extraordinários nº. 466.434 e 349.703 foi identificar qual o status normativo assumiu o Pacto de São José da Costa Rica, em contraponto com o ordenamento constitucional, sobretudo o art. 5º, §1º da Constituição da República.

                Como explanado linhas acima, o Excelso Pretório vem entendendo que o Pacto de São José suspende a eficácia das disposições da legislação brasileira, seja anterior ou posterior a ele, que dispõem acerca da prisão civil do depositário infiel, mormente a que cuida da alienação fiduciária em garantia. Merece destaque as palavras do Min. Gilmar Ferreira Mendes, em voto proferido nos autos do RE nº. 466.343:

“Portanto, diante do inequívoco caráter especial dos tratados internacionais que cuidam da proteção dos direitos humanos, não é difícil entender que a sua internalização no ordenamento jurídico, por meio do procedimento de ratificação previsto na Constituição, tem o condão de paralisar a eficácia jurídica de toda e qualquer disciplina normativa infraconstitucional com ela conflitante. Nesse sentido, é possível concluir que, diante da supremacia da Constituição sobre os atos normativos internacionais, a previsão constitucional da prisão civil do depositário infiel (art. 5º, inciso LXVII) não foi revogada pela ratificação do Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos (art. 11) e da Convenção Americana sobre Direitos Humanos – Pacto de San José da Costa Rica (art. 7º, 7), mas deixou de ter aplicabilidade diante do efeito paralisante desses tratados em relação à legislação infraconstitucional que disciplina a matéria, incluídos o art. 1.287 do Código Civil de 1916 e o Decreto-Lei n° 911, de 1º de outubro de 1969. Tendo em vista o caráter supralegal desses diplomas normativos internacionais, a legislação infraconstitucional posterior que com eles seja conflitante também tem sua eficácia paralisada. É o que ocorre, por exemplo, com o art. 652 do Novo Código Civil (Lei n° 10.406/2002), que reproduz disposição idêntica ao art. 1.287 do Código Civil de 1916”. (g.n., STF, Recurso Extraordinário, nº. 466.343, rel. Min. Cesar Peluso, ainda pendente de julgamento)[6].

A discussão travada entre os Ministros da Excelsa Corte tem como centro de atenção o reconhecimento desse caráter supralegal normativo da Convenção Americana de Direitos Humanos e a possibilidade de alargamento do texto e do sentido da Constituição.

Buscam, na verdade, ampliar o conceito de Constituição, de modo a abarcar os diplomas internacionais definidores de direitos humanos. Para tanto, é imprescindível que a Corte constitucional endosse a teoria material da Constituição e, assim, estará, por via reflexa, reconhecendo a derrogação do art. 5º, LXVII da CR/1.988 (BRASIL, 1.988) pelo art. 7º, VII do Pacto de São José da Costa Rica. Para isso, tais normas deverão ocupar idêntico patamar normativo-hierárquico, haja vista as disposições dos princípios da supremacia e da unidade constitucionais.

Para Campos (1.991), dizer que uma norma tem a mesma hierarquia das normas constitucionais, ou seja, dizer que os tratados de proteção aos direitos humanos têm hierarquia constitucional, não significa dizer que estão eles dentro da Constituição, mas sim que pertencem ao bloco de constitucionalidade.

                Por outro lado, admitir a derrogação da Carta de 1.988, por mutação constitucional, certamente, acarretará numa mudança radical do paradigma de constituição. Isto é, o STF estará pontificando que há normas materialmente constitucionais, fora do texto escrito da Constituição. Essa alteração dos contornos e limites constitucionais, no entanto, deve ser conduzida de forma gradual e circunspecta, sob o risco de enfraquecimento da eficácia e da força normativa da Constituição, adverte Bonavides (2.006).

Jorge Miranda (1.997), em sede de teoria dos direitos fundamentais, relativamente à Constituição Portuguesa, preleciona:

"O n. 1 do art. 16 da Constituição aponta para um sentido material de direitos fundamentais: estes não são apenas os que as normas formalmente constitucionais enunciem; são ou podem ser também direitos provenientes de outras fontes, na perspectiva mais ampla da Constituição material. Não se depara, pois, no texto constitucional um elenco taxativo de direitos fundamentais. Pelo contrário, a enumeração é uma enumeração aberta, sempre pronta a ser preenchida ou completada através de outros direitos ou, quanto a cada direito, através de novas faculdades para além daquelas que se encontram definidas ou especificadas em cada momento. Daí poder-se apelidar o art. 16, n. 1, de cláusula aberta ou de não tipicidade de direitos fundamentais" (g.n., MIRANDA, 1.997, p. 153).

                Portanto, o melhor caminho a seria viabilizar a derrogação da Constituição na parte que trata da prisão civil do depositário infiel.

No entanto, para os que ainda se encontram arraigados ao formalismo constitucional, essa norma internacional não teria fundamento de validade na CR/1.988, motivo pelo qual deveria ser encarada como inconstitucional e, como tal, extirpada do ordenamento jurídico pátrio. Enfatize-se que tal solução não deve prosperar.

Enfim, o Pacto de São José da Costa Rica, pela sua característica primordial de proteção aos direitos humanos, deveria ser eriçado a status constitucional, inobstante as inovações trazidas pela E.C. 45/04. Ora, se é princípio da República Federativa do Brasil a prevalência dos direitos humanos e se tem por fundamento a dignidade da pessoa humana, as três vertentes de proteção extraídas do art. 5º, § 2º, quais sejam: a) os direitos e garantias fundamentais expressos no texto da CR/1.988; b) os direitos e garantias decorrentes dos princípios e do regime constitucional e, por fim, c) os direitos e garantias oriundos dos tratados, dos quais o Brasil seja parte – estariam a autorizar a integração do Pacto ao direito pátrio como norma materialmente constitucional.

 Ademais, enquanto norma internacional, devidamente incorporada ao direito pátrio, deve ser respeitada e cumprida integralmente, assumindo o Estado brasileiro uma obrigação negativa, no sentido de não legislar de modo diverso ao conteúdo do acordo, e reconhecendo a sua eficácia e aplicabilidade no âmbito interno como norma verdadeiramente constitucional (art. 5º, §§ 1º e 2º c/c art. 60, § 4º, IV da Constituição da República).

Deste modo, estar-se-á compatibilizando os dispositivos, prima facie, conflitantes, privilegiando, assim, a unidade do sistema jurídico.

O art. 5º, LXVII da Constituição, com as inovações trazidas pela Convenção Americana de Direitos Humanos, deve ser interpretado no sentido de não mais ser cabível a prisão do depositário infiel, declarando-se inconstitucionais quaisquer normas supervenientes com ele incompatíveis, mormente, as disposições do Código Civil que regulam a matéria e o Decreto-Lei nº. 911/1.969 (BRASIL, 1.969) (nesse caso, cuida-se do fenômeno de não-recepção do direito pré-constitucional), por se tratar de cláusula pétrea.

 

Conclusão

Entretanto, essa a posição foi rechaçada pelo Supremo Tribunal Federal, que entendeu possuir o Pacto de São José status normativo supralegal, em termos práticos, a consequência jurídica de tal constatação (suspensão da eficácia das normas que preveem a prisão civil por infidelidade do depositário) será similar àquela derivada das normas formalmente constitucionais (ineficácia por não-recepção ou inconstitucionalidade, a depender do caso concreto). Isso quer significar que a Excelsa Corte estará logrando idêntica finalidade, contudo, por meio de caminhos diametralmente opostos.

Outro ponto deve ser considerado é a ratificação do Pacto de São José da Costa Rica sem qualquer aposição de reserva pelo Estado brasileiro no que tange à matéria, razão pela qual, mais uma vez, inviabilizada está a possibilidade jurídica da prisão civil do depositário infiel.

Nesse aspecto, deve ser mensurada a responsabilidade internacional do Estado brasileiro em se tratando da prisão civil por infidelidade do depositário. Isto porque, de acordo com o art. 44 do aludido diploma internacional, a vítima da ordem prisional, expedida por juiz ou tribunal, pode socorrer-se à Comissão Interamericana de Direitos Humanos pleiteando a reparação do mal causado em virtude do descumprimento, pelo Poder Judiciário, daquilo que foi acordado em sede convencional. Conclui Boson (2.002):

"O primado do Direito das gentes é um dos maiores postulados da teoria geral do Direito internacional. Existe ainda quando falte nas Constituições o seu reconhecimento expresso, porque, na verdade, os Estados, juridicamente, só dispõem da liberdade para fixar a modalidade da aplicação internado Direito internacional. O Estado, no exercício de suas competências, pode praticar atos contrários ao Direito das gentes, mas incorre em responsabilidade, ajuizável perante tribunais internacionais, ainda quando o ato ilícito impugnado tenha sido praticado de acordo com a lei interna, pois o próprio exercício das funções legislativas pode ser constitutivo de um ato internacionalmente anti-jurídico. Tem, portanto, toda procedência a declaração, repetida, de vários tribunais internacionais, de que as leis internas são em face do Direito das gentes, meros fatos suscetíveis de serem valorados com respeito à sua conformidade ou discrepância com o Direito internacional. A validade superestatal deste é independente da vontade dos Estados, já submetidos à sua obrigação" (BORSON, 1.958, pp. 174/175).

                Os Ministros que compõem o Supremo Tribunal Federal adotam, em diversas questões, posição garantista dos direitos fundamentais, nas mais variadas esferas do direito, especialmente, a penal e a civil, mormente, em se tratando de prisão civil.

                Desta forma, é possível afirmar que a Excelsa Corte enterrou a tese da legalidade ordinária, na medida em que reconheceu um caráter especial aos tratados de direitos humanos, como é o caso da Convenção Americana de Direitos Humanos.

 

Referências

ABREU FILHO, José. O Negócio Jurídico e sua Teoria Geral. 4 ed. São Paulo: Saraiva, 1.997.

ALEXY, Robert. Colisão e ponderação como problema fundamental da dogmática dos direitos fundamentais. p. 10 Apud BARROSO, Luís Roberto. Interpretação e Aplicação da Constituição. 6. ed. 4. tiragem. São Paulo: Saraiva, 2.008.

ALVES, José Carlos Moreira. Alienação fiduciária em garantia. São Paulo: Saraiva, 1.973.

AMARAL, Francisco. Direito Civil – Introdução. 5 ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2.003.

ANDRADE, José Alfredo Ferreira. Alienação Fiduciária em garantia. São Paulo: Livraria e Editora Universitária de Direito Ltda., 1.970.

ANDRADE, Manoel Domingues de. Teoria Geral da Relação Jurídica. vol.1. Coimbra: Livraria Almedina, 1.998.

Aquino, Wilson, Negócio Jurídico. Revista de Direito Civil, vol.XIX, ano 06, jan./mar./1.982, p.105 Apud Veloso, Alberto Júnior. Simulação – Aspectos gerais e diferenciados à luz do Código Civil de 2002. Curitiba: Juruá, 2.004.

Azevedo, Antônio Junqueira de. Negócio Jurídico: Existência, Validade e Eficácia. 3. ed., São Paulo: Saraiva, 2.000.

BARROSO, Luís Roberto. Interpretação e Aplicação da Constituição. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2.008.

___________________. O Direito Constitucional e a Efetividade de suas Normas – Limites e possibilidades da Constituição Brasileira. 7. ed. São Paulo: Renovar, 2.003.

BULGARELLI, Waldirio. Contratos Mercantis. 3. ed. São Paulo: Atlas; 2000.

BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 19. ed. São Paulo: Malheiros Editores, 2.006.

BOSON, Gerson de Britto Melo. Curso de Direito Internacional Público. 1. vol. Belo Horizonte: Livraria Bernardo Álvares Editora, 1.958.

BRASIL. Código Civil (2.002) Código Civil Brasileiro. Brasília: Senado, 2002. 550p.

BRASIL. Codigo de Processo Civil (1.973) Código de Processo Civil. Brasília: Senado, 1.973. 375p.

BRASIL. Constituição (1.988) Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1.988. 168p.

BRASIL. Constituição (1988). Emenda constitucional n.45, de 08 de dezembro de 2004. Altera dispositivos dos artigos 5, 36, 52, 92, 93, 95, 98, 99, 102, 103, 104, 105, 107, 109, 111, 112, 114, 115, 125, 126, 127, 128, 129, 134 E 168 da Constituição Federal, e acrescenta os artigos 103-A, 103-B, 111-A E 130-A, e da outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 08 dez. 2.004.

BRASIL. Decreto Executivo, 678, de 06 de novembro de 1.992. Promulga a Convenção Americana sobre Direitos Humanos (Pacto de São José da Costa Rica), de 22 de novembro de 1969. Diário Oficial da União, Brasília, 06 nov. 1.992.

BRASIL. Decreto Legislativo 27, de 25 de setembro de 1.992. Aprova o texto da Convenção Americana sobre Direitos Humanos (Pacto São José) celebrado em São José da Costa Rica, em 22 de novembro de 1969, por ocasião da Conferência especializada Interamericana sobre Direitos Humanos. Diário Oficial da União, Brasília, 25 set. 1.992.

BRASIL. Decreto–Lei 911, de 01 de outubro de 1.969. Altera a redação do art. 66, da Lei nº 4.728, de 14 de julho de 1965, estabelece normas de processo sôbre alienação fiduciária e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 01 out. 1.969.

BRASIL. Lei 4.728, de 14 de julho de 1.965. Disciplina o mercado de capitais e estabelece medidas para o seu desenvolvimento.  Diário Oficial da União, Brasília, 14 jul. 1.965.

BRASIL. Lei 6.015, de 31 de dezembro de 1.973. Dispõe sobre os registros públicos, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 31 dez. 1.973.

BRASIL. Lei 9.514, de 20 de novembro de 1.997. Dispõe sobre o Sistema de Financiamento Imobiliário, institui a alienação fiduciária de coisa imóvel e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 20 dez. 1.997.

BRASIL. Lei 10.931, de 08 de agosto de 2.004. Dispõe sobre o patrimônio de afetação de incorporações imobiliárias, Letra de Crédito Imobiliário, Cédula de Crédito Imobiliário, Cédula de Crédito Bancário, altera o Decreto-Lei nº 911, de 1º de outubro de 1969, as Leis nº 4.591, de 16 de dezembro de 1964, nº 4.728, de 14 de julho de 1965, e nº 10.406, de 10 de janeiro de 2.002, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 08 ago. 2.004.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso ordinário em Habeas Corpus nº. 22.109. Prisão Civil. Depositário judicial. Infidelidade. Recorrente: Wirto Schaefer. Recorrido: Tribunal de Justiça de Santa Catarina. Relator: Min. Fernando Gonçalves, Brasília, 23 out. 2.007. Diário da Justiça, 05 nov. 2.007.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial nº. 149.518. Ação de Depósito Procedente. Recorrente: Ministério Público do Estado de Goiás. Recorrido: Álvaro de Castro Moraes. Relator: Min. Anselmo Santiago, Brasília, 02 jun. 1.998. Diário da Justiça, 17 ago. 1.998.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial nº. 323.986. Civil - Contrato - Alienação Fiduciária. Recorrente: Banco Fiat S/A. Recorrido: Ina Helena da Silva Bueno. Relator: Min. Nancy Andrighi, Brasília, 28 ago. 2.001. Diário da Justiça, 01 out. 2.001.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário nº. 80.004. Convenção de Genebra. Lei Uniforme sobre letras de câmbio. Recorrente: desconhecido. Recorrido: desconhecido. Relator: Min. Xavier de Albuquerque, Brasília, 01 jun. 1.977. Diário da Justiça, 29 dez. 1.977.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Habeas Corpus nº. 72.131. Alienação Fiduciária em garantia. Prisão civil do devedor como depositário infiel. Impetrante: Marcelo F. Souza Granado. Impetrado: Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Relator: Min. Marco Aurélio, Brasília, 23 nov. 1.995. Diário da Justiça, 01 ago. 2.003.

CAMPOS, Gérman J. Bidart. Teoría General de los Derechos Humanos. Buenos Aires: Astrea, 1.991.

CHALHUB, Melhim Namem. Negócio Fiduciário. 2. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2.000.

CLOVIS, Belvilaqua. Theoria Geral do Direito Civil. 2. ed. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1.929.

COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de Direito Comercial. 3. vol. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2.003.

CUNHA GONÇALVES. Tratado de Direito Privado. t. I. vol. I., p. 449 Apud RIZZARDO, Arnaldo. Parte Geral do Código Civil. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2.005.

DINIZ, Maria Helena. Código Civil Anotado. 8 ed. São Paulo: Saraiva, 2.002.

FERREIRA, Valle. Subsídios para o Estudo das Nulidades. Revista da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, Ano XIV. nº. 3,  out. 1963.

GLAGLIANO, Pablo Stolze; PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Novo Curso de Direito Civil. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2.002.

GALUPPO, Marcelo Campos. Da idéia à defesa. Belo Horizonte: Mandamentos, 2.003.

Gomes, Orlando. Direitos Reais. 14. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2.004.

GOMES, Orlando. Alienação Fiduciária em garantia. 2. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 1.970.

Gonçalves, Luiz da Cunha. Direito Civil – Parte Geral. vol. I. São Paulo: Max Limonad Editor, 1.951.

HÄBERLE, Peter. El estado constitucional. trad. Hector Fix-Fierro. México: Universidad Nacional Autónoma de México, 2.003.

Leite, Carlos Henrique Bezerra; Pimenta, Paulo Roberto Lyrio; Pelá, Carlos. A Validade e Eficácia das Normas Jurídicas. Barueri: Manole, 2.005.

Lopes, Miguel Maria de Serpa. Curso de Direito Civil. 9. ed. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, vol. I, 2.000.

MARTINS, Fran. Contratos e Obrigações Comerciais. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1.997.

MAZZUOLI, Valério de Oliveira.  Prisão Civil por Dívida e o Pacto de São José da Costa Rica. Rio de Janeiro: Forense, 2.002.

 

MELLO, Celso de Albuquerque. O § 2º do art. 5º da Constituição Federal. In TORRES, Ricardo Lobo (org.). Teoria dos Direitos Fundamentais. 2. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2.001.

MIRANDA, Jorge. Manual de Direito Constitucional. t. I. 6. ed. Coimbra: Coimbra Editora, 1.997.

MIRANDA, Pontes de. Tratado de Direito Privado. t. I.  2 ed. Rio de Janeiro: Borsoi, 1.954a.

_______. Tratado de Direito Privado. t. III.  2 ed. Rio de Janeiro: Borsoi, 1.954b.

OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro. Prisão Civil na Alienação Fiduciária em Garantia. Curitiba: Juruá, 2.001.

PIOVESAN, Flávia. Direitos Humanos e o Direito Constitucional Internacional. 2. ed. São Paulo: Max Limond, 1.997.

Reale, Miguel. Exposição de Motivos. item nº. 16. Apud Theodoro Júnior, Humberto. Comentários ao novo Código Civil. t. I, vol. III. Rio de Janeiro: Forense, 2.003.

RESTIFFE NETO, Paulo; RESTIFFE, Paulo Sérgio. Alienação Fiduciária e o Fim da Prisão Civil. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2.007.

_______. Garantia Fiduciária. 3. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2.000.

Rizzardo, Arnaldo. Parte Geral do Código Civil. 3.ed. Rio de Janeiro: Forense, 2.005.

THEODORO JÚNIOR, Humberto. Comentários ao novo Código Civil. Vol. III. Rio de Janeiro: Forense, 2.003.

TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. Tratado de Direito Internacional dos Direitos Humanos. 5. ed. Porto Alegre: Sergio Antônio Fabris Editor, 2.003.

WEIS, Carlos. Direitos Humanos Contemporâneos. São Paulo: Malheiros Editores, 2.006.


[1] Conferir voto do Ministro Gilmar Ferreira Mendes no recurso extraordinário nº. 466.343-SP, pendente de julgamento pelo Supremo Tribunal Federal.

[2] Brasil. Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário. 80.004/SE. rel. Min. Xavier Albuquerque. j. 01.06.1.1977, DJ 29.12.1.977.

[3] Disponível em http://www.stf.gov.br, acesso em 15 de dezembro de 2.007.

[4] Disponível em http://www.stj.gov.br, acesso em 15 de dezembro de 2.007.

[5] Disponíveis para consulta através do site http://www.stf.gov.br/ portal/ inteiroTeor / pesquisar Inteiro Teor.asp.

[6] Disponível para consulta através do site: http://www.stf.gov.br/ portal/ inteiroTeor / pesquisar Inteiro Teor.asp.

 

DADOS DE CATALOGAÇÃO

MAGALHAES, Leonardo Cardoso de. O pacto de são josé da costa rica e o julgamento do re-stf 466.343. Cognitio Juris, João Pessoa, Ano III, Número 7, junho 2013. Disponível em <>. Acesso em:

 

A Revista Cognitio Juris não se responsabiliza pelos ideários, conceitos, apreciações, julgamentos, opiniões e considerações lançados nos textos dos artigos. Os textos são de inteira e exclusiva responsabilidade de seus autores.

 

 

Cognitio Juris® - © Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial dos artigos publicados na Revista Jurídica Eletrônica Cognitio Juris, desde que citados o(s) nome(s) do(s) autor(es) e a fonte, além de atender as normas relativas aos Direitos Autorais. Os textos são de inteira e exclusiva responsabilidade de seus autores.